sábado, 28 de agosto de 2010

(ir)racional



De nada tenho certeza,
a não ser da minha incerteza.
Já ouvi que a morte é certa,
mas o que acontece quando
se é levado pela correnteza?
Na minha loucura, achei a razão.
Mas, afinal, o que é racionalidade?
Já ouvi que é sobriedade.
Então por que os sóbrios
nunca explicaram a lógica do amor?
Como uma canção, em mim, desperta a saudade?
E a lágrima que cai em meu rosto ao findar da tarde?
Então fica a nota de um ébrio mental:
o velho sábio nada sabia.
Prefiro ser sentimental!
Em meus devaneios acho sentido.
Com isso,amiga, a vida se torna mais harmônica.
Não me impeça de ser assim.
Quero fazer da minha história a mais bela crônica.
Números não podem me resumir,
mas eu os subjulgo ao desenhá-los no papel.
Minha essência, a idade não pode exprimir.
Então, por favor, não me diga como agir.
Se é para sorrir, sorrirei;
Se é para chorar, chorarei;
Se é pra observar, observarei;
Se é pra te beijar, assim eu farei.

2 comentários:

@igorpensar disse...

No final das contas, sinto logo penso, sinto logo existo. Não dá para ser cartesiano, quando a razão se mescla com o que sentimos. Muito bom!

Suzana disse...

lindas suas palavras

verdade

acho que falei tudo

^^